quinta-feira, novembro 2

Vêgê













Título: Má campanha, bom óleo
Agência: McCann
Anunciante: Sovena
Produto: Vêgê
Directores Criativos: Diogo Anahory / José Carlos Bomtempo
Redactor: João Taveira
Director de Arte: Luís Carvalho
Produtor TV: Bruno Carvalho
Executivo de Contas: Célia Felix / Marta Pessoa
Produtora: Krypton
Realizador: Rogério Bolt
Som: Indigo

28 comentários:

Anônimo disse...

Campanha de publicitários para publicitários que comem fritos.

tavares disse...

lol
gosto da ideia, mas bem feito seria apenas usarem meios para pouparem dinheiro. "má campanha, bom óleo, mas temos anúncio de TV, mupis etc, que não custou um tostão....."
parabéns na mesma
t

mau vgggg disse...

já vi...vege...v.........ege......e......g.-..e...
oleooo veggggeeeee quem ve......come
frito...........sem......v.......mau....é.......v....g.
figado...........pel........ege.......mau.....vg

o crítico disse...

Querem passar ao consumidor que pouparam na publicidade para por mais qualidade no oleo?
Cuidado com o caminho que escolheram, é que depois o futuro prega partidas.
Deve ter sido uma campanha fácil de aprovar, mas com consequências desastrosas

hcam disse...

sem dúvida uma campanha apenas para publicitários, ou acham que as pessoas que andam por aí fazem ideia do que é uma campanha fraca ou forte e das implicações que isso tem?

O único efeito prático que me parece imediato é a indiferença: os potenciais consumidores a passarem pelo mupi sem sequer repararem que lá está um cartaz dentro

Anônimo disse...

Eu pensava que era um mupi partido ! E sou publicitário e mesmo assim... bem na realidade tinha feito uma noitada e ainda não tinha bebido café.

PEDRO BIDARRA disse...

não é do gonçalinho? então não gosto...

MUITO FRACO disse...

SILVA GOMES VOLTA ESTÀS PERDOADO
pois essa malta não dá uma para a caixa.
NEM UMA IDEIA EM DOIS ANOS PRÒ PORTOFÓLIO DE PREMIOS DA AGENCIA.

Anônimo disse...

É uma óptima desculpa quando não se sabe fazer um bom anúncio. Basta dizer que está a poupar no anúncio para investir no produto, que é o que importa. E já está. Salvo pelo argumento sem sentido.
Pergunta: de agora em diante Vegê só vai fazer anúncios baratos e ruins para continuar a investir no que é importante, que é o produto? Porque, se fizerem um bom anúncio, um bocadinho mais caro, passo a ter a certeza de deixaram de investir no óleo para investir em anúncios.

seth disse...

Qaundo vi o mupi a primeira vez também pensei que estava vandalizado...

Conceicao disse...

Fraquito e esfarrapado. Ainda por cima o público sabe que publicar anúncios em qualquer meio é caro à brava.

Anônimo disse...

Será que alguém que procura um estágio tivesse esta campanha na sua pasta, e fosse à McCann, como seria avaliado pelos directores criativos? Mau? Assim-assim? Bom? Muito bom? Excelente? Prémio? Leão?

Anônimo disse...

tenham juizo! a campanha tá boa sim sr.
só sabem criticar, criticar...
acham msm que o publico está preocupado pelo facto de ser caro publicar anuncios nos meios? o que está em causa não é isso mas sim a ideia... e esse é boa.
em vez de estarem a criticar sem sentido vão mas é trabalhar para ver se um dia conseguem ter ideias minimamente boas!
parabens aos criativos.

brazuca disse...

overdone

brazuca disse...

comentei o impresso antes de ver o comercial de TV.
ah, o "overdone" foi para a primeira peça gráfica, a tal "economia de papel".

a campanha como um todo é realmente como já disseram aqui: feita para publicitários.
e ainda por cima lembram a todos os consumidores o óleo de girassol, tradicionalmente mais saudável, e o fazem quase dizendo: "o de girassol é melhor, mas o nosso frita mais". que feio.

ESTOU A VER-TE disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
fula disse...

fraco!

Rita Tavares disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
TC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luis disse...

'Dasse! alguém aqui está fulo e não é o óleo... ;)

ofelaine disse...

Uma coisa é certa: a vêgê passou a existir. ninguém falava desta marca e enquanto consumidora considerei sempre este óleo como sendo de segunda. acho que a se posicionou bem, com esta campanha. os anúncios chamam a atenção sim.
dizer mal do nome é que me parece um tiro no pé assim como "mais resistente. e mais nada". afinal será que é a resistência que vende um óleo? numa altura em que se vende saúde em cada pacote de iogurte, bolachas, etc, a ideia de reutilização do óleo está um bocado fora...

krausse disse...

tudo uma imbecil parvoíce. de óleos alimentares pouco percebo, mas sei que o logotipo é dos melhores, o cartaz também está óptimo e por aí em diante. se queriam baixar o nível ao menos fizessem-no com nível. não apoio falsas modéstias. mas no mercado não há leis, não é?...

O Criador disse...

Mansagem central falsa, actriz irritante, layouts miseráveis, argumentos questionáveis, em suma, uma boa forma de colmatar falta de criatividade.

Buro Minds disse...

Campanha Excelente! Falo como público final aka alvo e não como criativo! Sim, pq Vêgê entrou para a berra novamente... não será isso o importante aka objectivo?!
Parabéns à agência!
Critiquem meus caros, mas construtivamente...
Por isso PT é pequeno e infelizmente assim continuará mais alguns anos, até Espanha olhar para nós....

Anônimo disse...

Neste momento maus anuncios fazem optimas publicidades. PARABÉNS aos autores

mendes disse...

Os publicitários têm de começar a ter orgulho naquilo que fazem. Quando se decide propor esta campanha ao cliente, a decisão é de uma empresa (agência) que está num mercado (publicidade) e como tal tem de assumir as repercussões das suas escolhas como qualquer outra entidade empresarial. Esta campanha não é responsabilidade do cliente, a ideia da mesma dificilmente partiria daí. É portanto uma obra criativa de uma entidade, que apresenta ao público um conjunto de situações em que um sector (publicidade) alegadamente contribui para a falta de qualidade ou acessibilidade de um produto. Brilhante gostava de saber como reagiriam quando um grande cliente lhes cancela-se a conta porque ia contratar uma série de “cartazes” com as fotos que o administrador tirou nas férias com a máquina digital nova (“que não desfazendo ficaram muito giras”). Cuidado.

Zé Ratzinger disse...

Não critico a criatividade, pois acho que a mensagem que o cliente quis transmitir para o público-alvo foi passada.
Critico sim, a estratégia de Marketing da VÊGÊ. Será que o público quer realmente um produto que seja apenas mais resistente, ou seja mais "plástico", ou será que o público quer produtos mais saudáveis que resolvam o problema do Colesterol e afins.
Aplaudo a campanha publicitária e Apupo a estratégia de Marketing

João disse...

Acabei de estudar um case-study baseado na marca Vêgê na AESE. Acho que estão de parabéns.